Leveza da alma - uma captura do ser através d... Silvinhapoeta R$40,00
CONVERSAS COM O TRAVESSEIRO Silvinhapoeta R$40,00
Palavra é arte Silvinhapoeta R$30,00
 

Silvinha Poeta

O corpo fala

Textos


Viúva negra

Viúva negra

Pronta para a próxima vítima, ela dará o bote certeiro depois de percebê-la vulnerável e indefesa.
O macho, que em sua natureza é o forte garanhão, irá estrebuchar em instantes.
A jovem moçoila aracnídea, sim ela mentiu sua idade, aguarda o momento da cópula.
Não obstante, o macho, acostumado a dar as rédeas na sedução, pensou ter encontrado o par perfeito para o prazer.
Mal sabe. Aquele espécime é raro, inconstante e além de suas características e tempo.
Em instantes, acha que terá – e nisso não se engana – um prazer infindo e não perecerá. Afinal, as mais jovens são bobas e não assassinam nem formigas. Ele aprendera desde cedo, o mundo é dos machos.
Já se fizera acreditar e não perdeu a vida até então. Não seria desta vez.
Pomposo e soberbo espera a fêmea se aproximar. Gira em uma dança frenética, enquanto ela se aproxima.

ELA
Preparada para a vida, fez-se mostrar e aprendeu cedo e sozinha a se defender. O prazer em matar era inato. Dissimulada, sabia mentir como ninguém. E sabia do que eles gostam. Omitira o quanto pôde sobre sua idade. Até porque não aparentava ter os anos passados da vida fácil. Sempre matara sem dores na consciência ou remorsos. Afinal, o que importava era sua vida e seu prazer. Machos nascem para isso, dar prazer e morrer. Sem compaixão.
Então, a presa, enganada, sempre chegava perto imaginando se tratar de uma jovem senhora.

O MOMENTO FATÍDICO
A dança do acasalamento começa. A aranha fêmea chega perto. O macho atenta para seu baixo ventre para ver se é possível perfurar. É assim que acontece com as jovens. Ele terá que perfurar sua genitália. Só assim sobreviverá. A escolha tem que ser certa.
Ele rodeia, olha e olha e eis que...snap! A fêmea ataca em um frenesi sensual e selvagem que o deixa atônito. O que se passa a seguir é a força da natureza em detrimento Às vontades próprias. O amor se faz, como das muitas vezes que ele, o garanhão perfeito, imponente e cheio de vida para copular e dar prazer, e num instante ele percebe o erro irreparável. No momento seguinte, sente um tremor, um pequeno raio de resto de vida que se vai, e a negritude da morte lhe abate nos últimos espasmos de vida que lhe resta.
Ela, feliz em mais uma batalha, não descansa enquanto não tem a certeza de que o feito foi confirmado. Quando percebe que sim, sai disposta e feliz, pensando na burrice desses machos que se acham superiores. E parte para a próxima vítima. E a próxima. E a próxima
Silvinhapoeta
Enviado por Silvinhapoeta em 15/06/2018
Alterado em 16/06/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras